VALUATION X PREÇO DE VENDA

Percebe-se um crescimento cada vez maior do interesse dos empresários e empreendedores em saber a valuation de seus negócios. No entanto, poucos entendem a grande complexidade envolvida em um processo de avaliação de empresas (valuation), seus diferentes métodos e principalmente, a diferença entre valuation e o preço que de fato o mercado está disposto a pagar pelo negócio. Este artigo tratará sobre os dois métodos mais utilizados de avaliação de empresas e das diferenças entre o valor obtido através desses métodos e o preço de venda.
O primeiro dos métodos de valuation, mais amplamente conhecidos de avaliação de empresas, é o Fluxo de Caixa Descontado (FCD), para o qual são projetados fluxos de caixa futuro que são trazidos a valor presente por meio de uma taxa que reflita o risco do negócio. Estes fluxos contemplam as entradas e saídas de caixa, incluindo todos os impostos e as necessidades de investimentos para sustentar o crescimento estimado, chegando, por fim, ao resultado final que restaria livre aos acionistas. Essa projeção de caixa deve ser extremamente cuidadosa e realista, pois quaisquer erros de planejamento podem trazer um grande impacto no valor do negócio.
Os resultados projetados estão diretamente relacionados às estratégias adotadas pela empresa e podem mudar de acordo com as perspectivas de quem a administra, o que significa dizer que a empresa possui valores diferentes para cada uma das partes. Além disso, a taxa de desconto adotada é muito importante, pois deve ser coerente com o risco do negócio; na prática, geralmente essa taxa corresponde à uma média do custo da dívida.
O segundo método mais utilizado se trata da avaliação por Múltiplos, utilizando variáveis comuns para a análise. Pressupõe-se, nesse caso, que o preço da empresa é similar ao preço de outras empresas comparáveis, pois o mercado tende a precificar de maneira correta. As variáveis utilizadas podem variar, podendo ser usado, por exemplo, o EBITDA anual, o lucro líquido, o faturamento, a carteira de clientes, entre outros. Quando o EBITDA é escolhido como base da valuation, é sugerido que ele seja trazido à sua normalidade, excluindo fatores extraordinários do cálculo que possam aumenta-lo ou diminui-lo.
A valuation do negócio geralmente serve como base para a negociação com investidores e como um parâmetro para os empresários, porém dificilmente será o preço de venda da empresa, pois sobre o valor do negócio são acrescidos e descontados outros valores, como dívidas com terceiros, ativos não operacionais e flutuações dos ativos e passivos em função dos movimentos do capital de giro. A operação de venda estará mais propensa a acontecer quando o valor oferecido pelo potencial investidor for maior que a valuation da empresa nas mãos dos empresários.

Você sabe quanto vale o seu negócio? Tem interesse em receber investimentos externos e não sabe por onde começar? Converse com um consultor da Dutra Gestão Empresarial para saber mais.

 

Por Gabriela Kauer